Grande Futebol
"Não adianta ser como a sombra e dizer sim a tudo", diz Oliveira
Redação
2021-03-29 10:50:00
Ex-selecionador exige medidas à FPF junto da FIFA e UEFA após golo de Ronaldo que não foi validado

Antigo selecionador nacional de Portugal, António Oliveira diz que a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) tem de tomar medidas e tentar jogar sob protesto no que resta do apuramento para o Mundial2022, na sequência do golo que não foi validado a Cristiano Ronaldo na Sérvia, nos descontos, do encontro que terminou numa igualdade entre as duas seleções.

O ex-técnico teme que a decisão polémica da equipa de arbitragem possa ter 'peso' nas contas finais do apuramento e só espera que este lance não seja culpado de uma "das melhores seleções" não marcar presença na fase final do Mundial, que se irá jogar no Qatar.

Para António Oliveira, não há justificações para que um jogo com esta importância não tenha videoárbitro nem o sistema de linha de golo para auxiliar as equipas de arbitragem.

Oliveira entende que "não adianta ser como a sombra e dizer sim a tudo" e por isso espera que o organismo liderado por Fernando Gomes apresente o seu desagrado junto da FIFA e da UEFA perante esta situação.

O ex-selecionador entende que as duas entidades que tutelam o futebol europeu e internacional não podem sacudir a culpa e espera que alguma coisa seja feita para que tais situações não se repitam.

Em comentário na RTP, António Oliveira comentou ainda o lance em que Cristiano Ronaldo atirou a braçadeira ao chão e virou costas ao jogo nos descontos, após o lance em que viu que a equipa de arbitragem não lhe validou o golo.

"Sou contra a falta de ética e desportivismo", indicou Oliveira, dizendo que, apesar de tudo, percebe o desagrado de Cristiano Ronaldo. 

"Eu desculpo. Tem o significado que tem", realçou ainda assim, lembrando que não gosta de ver situações semelhantes nem no relvado nem mesmo no túnel, revelando que uma situação semelhante chegou a acontecer-lhe enquanto treinador e obrigou o jogador em questão, que não revelou o nome, a ir "apanhar a braçadeira" sob pena de não alinhar mais.

A indignação de Cristiano Ronaldo teve por base um golo que não foi valiado já nos descontos. O capitão de Portugal enviou a bola para a baliza deserta, após ganhar o lance ao guarda-redes adversário, e Mitrovic tirou a bola já para lá da linha, só que o árbitro holandês Danny Desmond Makkelie não viu, o árbitro auxiliar também não e não tinham ajuda de VAR.

Revoltado, Cristiano Ronaldo não se poupou nos protestos e acabou por ver cartão amarelo no encontro que terminou numa igualdade a duas bolas.

Porém, tudo até tinha começado muito bem para Portugal com dois golos de belíssima execução de Diogo Jota, aos 11 e 36 minutos, ambos de cabeça.

Ainda assim, na segunda parte, os lusos não consolidaram o domínio, a Sérvia reentrou determinada e reduziu logo aos 46, através de Mitrovic, para depois empatar aos 60, por Kostic.

Depois do jogo com a Sérvia, Portugal defrontará agora o Luxemburgo, em partida que está agendada para terça-feira, a partir das 19h45 (hora de Lisboa), na Cidade do Luxemburgo, num duelo que será dirigido pelo russo Sergei Ivanov.