Grande Futebol
Darwin Núñez marca e ajuda Uruguai a bater Colômbia de Queiroz
2020-11-13 22:40:00
Avançado do Benfica continua de 'pé quente'

O Uruguai acabou hoje em Barranquilla com a invencibilidade da Colômbia na ‘era’ Carlos Queiroz, com o benfiquista Darwin Núñez a selar o 3-0 final, nas eliminatórias para o Mundial de futebol de 2022.

Em encontro da terceira jornada da zona sul-americana de apuramento, os ‘cafeteros’ tiveram muito mais tempo a bola e remataram mais, mas a eficácia esteve toda do lado do ‘onze’ de Óscar Tabárez, muito bem a defender e letal no contra-ataque.

O momento do encontro acabou por ser ‘escrito’ pelo jogador do Benfica, entrado ao intervalo, com um ‘tiro’ de pé direito de fora da área, aos 73 minutos, que David Ospina não pôde deter, vendo a bola entrar junto ao poste direito.

O benfiquista, de 21 anos, apontou o seu segundo golo em três jogos pelo Uruguai, seguindo o ‘exemplo’ dos veteranos Edinson Cavani e Luis Suárez, ambos de 33, que apontaram os outros dois golos da ‘celeste’, aos cinco e 54 minutos.

Cavani marcou o seu golo 51 na seleção, em 117 jogos, com um remate de pé direito na área, após perda de bola de Yerry Mina e assistência de Nahitan Nández, e Suárez apontou o 63.º, em 116, de penálti, a castigar falta de Murillo sobre Bentancur.

O jogador do Atlético de Madrid apontou o seu quarto golo na fase de qualificação para o Qatar2022, todos de grande penalidade.

Na classificação, o Uruguai, que tinha batido em casa o Chile (2-1) e perdido no Equador (2-4), passou a somar seis pontos, ultrapassando a Colômbia, que se mantém com quatro, e juntando-se ao Equador e ao Brasil, que recebe ainda hoje a Venezuela.

Os ‘cafeteros’ saíram da zona de apuramento e sofreram a primeira derrota sob o comando de Queiroz, depois de quatro vitórias e dois empates, entre jogos da Copa América de 2019 e de qualificação para o Mundial de 2022.

Nos colombianos, que não perdiam um jogo oficial desde o Mundial2018 (1-2 com o Japão), alinharam dois portistas, com Uribe a jogar de início e a ser substituído aos 65 minutos e Luis Díaz a entrar aos 32, para o lugar de Wilmar Barrios.

Nos jogos de quinta-feira, destaque para o empate cedido pela Argentina na receção ao Paraguai (1-1), num La Bombonera sem público, depois dos triunfos tangenciais na receção ao Equador (1-0) e na Bolívia (2-1).

Ángel Romero adiantou os paraguaios, aos 22 minutos, de penálti, e os argentinos, com o benfiquista Otamendi no ‘onze’, empataram aos 41, por Nicolás González. Lionel Messi ainda fez o 2-1, aos 58, numa jogada anulada com polémica pelo VAR.

Por seu lado, o Equador, com o ‘leão’ Gonzalo Plata a partir dos 71 minutos, venceu na Bolívia por 3-2, com Carlos Gruezo a decidir, aos 88, de grande penalidade.

Juan Carlos Arce, aos 37 minutos, e Marcelo Moreno, aos 60, apontaram os tentos dos locais, que chegaram ao intervalo a vencer por 1-0, enquanto Beder Caicedo, aos 46, e Ángel Mena, aos 55, marcaram os outros golos equatorianos.