Grande Futebol
"Impossível combater a superioridade numérica dos adversários"
2020-10-22 11:45:00
Diretor de comunicação dos azuis e brancos deixa mensagem nas redes sociais

A comunicação do FC Porto continua a velar críticas à arbitragem do jogo frente ao Manchester City e Francisco J. Marques admite que os 11 jogadores de Sérgio Conceição enfrentaram um rival com elementos extra.

"Foi impossível combater a superioridade numérica dos adversários", assinalou o diretor de comunicação e informação do FC Porto, fazendo referência ao trabalho da equipa de arbitragem na partida de Manchester.

"De um lado 11 dragões, do outro lado 11 jogadores, mais o árbitro, mais o VAR. No final, ganharam eles", considerou Francisco J. Marques, juntando-se ao tom de críticas que os portistas têm feito nas últimas horas ao trabalho de Andris Treimanis no relvado do Etihad, na quarta-feira à noite, em partida da Liga dos Campeões.

Já depois das críticas na crónica da partida, onde o FC Porto referiu que "um letão e um holandês ajudaram à festa inglesa", também Sérgio Conceição se queixou da arbitragem. O treinador do FC Porto pediu "desculpa" aos árbitros portugueses depois do que viu em Manchester.

Nesta quinta-feira, recorde-se, também o clube da Invicta serve-se da sua newsletter oficial para fazer novos ataques à arbitragem de Andris Treimanis, dizendo que o que se passou no duelo "não pode ser branqueado".

De resto, após o apito final, as horas têm sido agitadas no FC Porto, fora das quatro linhas, não apenas com as críticas à arbitragem mas também a forte indignação que palavras de Bernardo Silva têm causado.

Após o duelo, o jogador formado no Benfica disse que a vitória de quarta-feira "soube mesmo bem". Essas declarações foram interpretadas como uma espécie de provocação do internacional português ao rival dos encarnados.

Em Manchester, o FC Porto somou um ‘redondo’ 400.º encontro nas taças europeias de futebol, no qual não conseguiu evitar a 130.ª derrota, no reduto dos ingleses do City, na estreia na ‘Champions’ 2020/21.

Luis Díaz ainda fez ‘sonhar’ com a 188.ª vitória, ao inaugurar o marcar, aos 14 minutos, mas nem sequer foi possível salvar o 84.º empate, já que Agüero, aos 20, de penálti, Gündogan, aos 65, de livre direto, e Ferrán Tores, aos 73, selaram a reviravolta.