Fora da Bancada
Superliga avança com 4000 milhões de euros do banco JP Morgan
Redação
2021-04-19 22:55:00
Clubes vão pagar cerca de 264 milhões de euros por época ao longo de 23 anos pelo empréstimo

O banco norte-americano JP Morgan, um dos maiores do mundo, é o grande financiador da Superliga, colocando em cima da mesa um empréstimo que poderá atingir os 4000 milhões de euros. O investimento inicial foi avaliado em 3500 milhões, mas com todas as despesas inerentes vai ficar próximo dos 4000 milhões, segundo avançou hoje a agência Bloomberg.

O empréstimo, com uma taxa de juro entre os dois e os três por cento, será pago pelos clubes ao longo de 23 anos. O jornal económico Financial Times fez as contas e estimou que, por cada época desportiva, os clubes da Superliga, cuja edição inaugural está apontada para a temporada 2022/23, vão pagar ao banco JP Morgan cerca de 264 milhões de euros.

São números astronómicos que comprovam as ‘boas relações’ do banco norte-americano com o mundo do futebol, em particular com Florentino Pérez, o presidente do Real Madrid e o diretor da Superliga. Foi o JP Morgan quem, em 2019, avançou com o empréstimo de 575 milhões de euros para que o Real Madrid pudesse renovar o Estádio Santiago Bernabéu. A partir de 2023, o colosso espanhol começará a pagar 29,5 milhões de euros ao banco.

Foi também o JP Morgan quem, em 2003, recomendou à família Glazer a compra do Manchester United. O atual vice-presidente dos ‘red devils’, Ed Woodward, é um antigo quadro do banco norte-americano.

Nos últimos anos, o JP Morgan aconselhou Rocco Commisso, o dono da Mediacom, a comprar a Fiorentina e Dan Friedkin a adquirir a Roma, tendo ainda participado nas operações de venda de dívida efetuadas por Inter de Milão e Roma.

“Não é surpresa que um banco como o JP Morgan esteja atento à realidade desportiva europeia. Há, na Europa, uma tomada de consciência de que muitos campeonatos e clubes têm de rever o modelo de financiamento” devido à crise gerada pela pandemia de covid-19, explicou Nikhil Bahel, do fundo de investimento Elysian Park Ventures.

De acordo com a Bloomberg, fonte ligada ao processo adiantou que o JP Morgan tenciona, no futuro, oferecer a Superliga como oportunidade de investimento a um grupo restrito de investidores. Contactada pela agência, fonte oficial do banco recusou fazer comentários. Já os clubes fundadores da Superliga não responderam em tempo útil.

No artigo, é feita uma comparação interessante: a Liga dos Campeões, da UEFA, gera anualmente 3000 milhões de euros de receitas. É apenas um quinto das receitas da NFL, a liga (fechada, como será a Superliga) de futebol americano dos EUA.