Portugal
Sporting mostra-se "expectante em relação aos processos de outros clubes"
Redação
2020-11-16 22:35:00
Miguel Braga diz que os leões ainda não foram notificados da decisão da Polícia Judiciária

Miguel Braga, responsável de comunicação do Sporting, considerou “positiva” a decisão da Polícia Judiciária em ilibar o clube e antigos dirigentes leoninos no processo Cashball

Em declarações à Sporting TV, o diretor de comunicação verde e branco revela que o clube ainda não foi “oficialmente notificado” da decisão da PJ e que estará atento aos variados processos de “outros clubes”. 

“Oficialmente ainda não fomos notificados. É positivo, é bom que o Sporting não esteja envolvido em qualquer processo de corrupção, nem que seja alegadamente”, começou por dizer. 

“Mas isto não quer dizer que não estejamos expectantes em relação a outros processos de outros clubes, que estão em curso e que, em princípio, se as coisas decorrerem nos prazos normais da justiça, nos próximos meses deveremos ter novidades”, rematou. 

Esta segunda-feira, recorde-se, a TVI avançou que a Polícia Judiciária ilibou os responsáveis leoninos do processo Cashball, operação em que foram detidas quatro pessoas por suspeitas de corrupção desportiva, entre os quais André Geraldes.

De acordo com a TVI, todos os arguidos foram ilibados por falta de provas, à exceção de Paulo Silva, empresário que foi denunciante do caso em março de 2018, quando revelou ao Ministério Público do Porto que tinha sido mandatado, através de intermediários, para, alegadamente, corromper árbitros de andebol e jogadores de futebol adversários de modo a favorecerem o Sporting em campo. 

Além de André Geraldes, também João Gonçalves e Gonçalo Rodrigues, empresário e ex-funcionário do Sporting, respetivamente, eram os arguidos que Paulo Silva alegava serem os intermediários entre o empresário e o seio do clube. 

Paulo Silva entregou à Polícia Judiciária alegadas trocas de mensagens com os arguidos, mas que não foram encontradas nas perícias das autoridades. 

No caso de André Geraldes, todo o conteúdo do telemóvel tinha sido apagado antes das buscas, algo que a PJ conseguiu recuperar com recurso a uma empresa espanhola. 

Paulo Silva foi entretanto ‘apanhado’, quando afirmou ter ido à Madeira tentar subornar um árbitro. A TAP informou a Polícia Judiciária que o empresário tinha bilhete mas que não tinha voado para o Funchal, tendo sido reembolsado pelo valor do bilhete. 

Ainda segundo a estação televisiva, a investigação está concluída e o despacho final está prestes a ser conhecido.  Além dos crimes de corrupção desportiva, Paulo Silva incorre ainda em simulação de crime.

Entretanto, André Geraldes reagiu à notícia avançada pela TVI, mostrando-se satisfeito pelos "bons indícios para se fazer justiça". 

"São bons indícios para se fazer justiça. Aguardo serenamente como sempre disse pela justiça. A justiça deve-se resumir aos factos. (...) Que alguns abutres não tenham medo da justiça, porque ela funciona", afirmou.