Portugal
“O senhor é mais antiBenfica do que sportinguista”, acusa Capristano
Redação
2021-01-15 09:30:00
Artigo de opinião de Carlos Barbosa da Cruz irrita antigo dirigente do Benfica 

Um artigo de opinião de Carlos Barbosa da Cruz, ex-dirigente do Sporting, publicado no jornaRecord, provocou a irritação de José Manuel Capristano, que passou pelos corpos gerentes do Benfica. Em causa, as investigações sobre um alegado domínio económico dos encarnados sobre clubes de menor dimensão. 

Barbosa da Cruz não ‘condena’ o Benfica – deixa que a justiça prossiga o seu caminho –, mas considera estranha a política de contratação de jogadores que nunca chegam a vestir a camisola do Benfica e acabam por ser cedidos. 

Os dois ex-dirigentes encontram-se todas as semanas no programa Liga D’Ouro. E não tardou até que Capristano respondesse ao seu colega de painel. “Um cumprimento para o doutor Carlos Barbosa da Cruz, porque tudo quanto é Benfica é pior”, disparou, logo no início do programa.  

“Basta ler a crónica dele no Record. Tudo o que é Benfica é o pior de tudo”, repetiu, o que suscitou uma pergunta de Barbosa da Cruz: “Escrevi alguma mentira?”. 

A resposta foi positiva: “O senhor está a ser juiz em causa alheia. Não faz outra coisa que não seja comentar a atualidade do Benfica. Tudo o que é referente ao Benfica o senhor é logo aguçado. 

“O senhor é mais antiBenfica do que sportinguista. Tem uma visão desportiva diferente da minha. O senhor tem uns contra os outros, para mim são uns com os outros. Os adversários do Benfica não são inimigos. E o senhor tem uma inimizade ao Benfica...”, disse Capristano.  

Carlos Barbosa da Cruz negou, irritado. “Não é verdade. Não tenho inimizade ao Benfica. Tenho direito à crítica. E há suspeitas. Cádiz, César Martins, Patrick, Chrien, Fábio Cardoso, Fariña, LuquinhasAndré Ferreira, Ricardo Mangas, Luís Filipe...”, enumerou o advogado, referindo-se a jogadores contratados que acabaram cedidos pelo Benfica a clubes da I Liga. 

O antigo dirigente do emblema de Alvalade entende que “há suspeitas que vão para além da conversa de café” e que entram no “foro judicial”: “Há suspeitas de que o Benfica utiliza estes elementos com finalidades extradesportivas. E eu não disse isto. O senhor leu mal o artigo”, sustentou, explicando a ideia que expressou. 

O que escrevi (e mantenho) é que era bom que o Benfica, tão comunicacional com os seus êxitos, desse uma explicação sobre este extensíssimo rol de jogadores, porque custa a acreditar que o Benfica ceda estes jogadores, sistematicamente, com prejuízo. O mundo do futebol está de boca aberta. O senhor não pode contrariar que eu comente assuntos da atualidade”, considerou Barbosa da Cruz. 

José Manuel Capristano discordou e Carlos Barbosa da Cruz passou ao ataque: “Eu sei que tudo o que diga respeito a Luís Filipe Vieira o incomoda. E ninguém pode dizer nada contra Luís Filipe Vieira”, apontou o ex-dirigente do Sporting. 

Na origem deste desaguisado entre os comentadores estão investigações Departamento Central de Investigação e Ação Penal e da Polícia Judiciária, sobre um alegado domínio dos encarnados relativamente clubes de menor dimensão, tendo como base as cedências de atletas.  

O clube da Luz já reagiu e referiu, em comunicado, que “não tem nada a esconder, como noutras ocasiões já deixou bem claro”.

No entanto, prosseguem os encarnados, o Benfica “não pode deixar de realçar a estranha coincidência de estas ditas ‘informações’ surgirem em vésperas de um clássico importantíssimo para o objetivo de conquistar o principal título do futebol nacional”.