Portugal
O dilema que deixou Jorge Jesus sem escolha
Redação
2021-03-04 23:05:00
“É uma pergunta difícil...”, reconhece o treinador do Benfica

O treinador do Benfica, Jorge Jesus, reconheceu que não conseguia dar resposta a uma pergunta “difícil”, quando desafiado a escolher entre a presença na final da Taça de Portugal e o segundo lugar no campeonato, durante a conferência de imprensa após a partida com o Estoril.

A questão surgiu depois do técnico ter assumido que o objetivo do Benfica no campeonato passa pela subida ao segundo lugar, de forma a garantir a qualificação para a Liga dos Campeões. Só então, se ainda for matematicamente possível, o objetivo passará a ser a vitória no campeonato. Já a Taça de Portugal é uma prova muito acarinhada pelo treinador.

“É uma pergunta difícil... São as duas [provas] importantes, com fatores diferentes... O segundo lugar do campeonato garante a Champions e a Taça de Portugal, vencendo [a final], garante um troféu muito importante para qualquer clube”, ponderou Jesus.

“Concretamente, não consigo responder o que seria melhor desportivamente, neste momento... São as duas provas importantes, não posso escolher”, complementou.

Mais fácil foi a resposta a outro dilema colocado nesta conferência de imprensa, quando Jesus foi questionado se o SC Braga, adversário na final da Taça de Portugal, é a equipa mais forte em Portugal neste momento, devido aos resultados mais recentes.

"Joguei com o Estoril e estás-me a fazer perguntas do SC Braga... Tem de haver algum respeito pelo adversário de hoje", começou por reagir o treinador do Benfica.

"Sou coerente, para mim as melhores equipas são as que estão em primeiro e, neste momento, quem está em primeiro é o Sporting. Pela classificação, por aquilo que é o campeonato. Se me perguntar quem é a melhor equipa da Taça de Portugal sabe o que lhe digo? É o SC Braga e o Benfica, que vão jogar a final. Agora do campeonato é o Sporting. Está em primeiro lugar", acrescentou.

Sobre a partida com o Estoril, Jesus destacou a melhoria de Gabriel "com o tempo de jogo" e revelou que, dos jogadores menos utilizados que hoje foram lançados, Chiquinho e Pedrinho foram "os que aproveitaram melhor esta oportunidade".