Portugal
"No futebol português é tudo uma farsa", diz António Salvador
Redação
2021-01-18 11:55:00
"As reuniões que fazem são para as fotografias", lamenta o presidente dos minhotos

O SC Braga está perto de cumprir 100 anos de existência mas António Salvador não entra em festas e euforias, até porque não se vivem tempos para tal. De resto, o presidente dos minhotos diz que a crise pandémica tem vindo a revelar que no futebol nacional "é tudo uma farsa".

"No futebol português é tudo uma farsa. As reuniões que fazem são para as fotografias, depois nada fazem e cada um olha para o seu umbigo e não querem saber de nada", criticou o líder do emblema bracarense que, nesta terça-feira, cumprirá 100 anos de existência.

Para António Salvador, "é preciso fazer uma reflexão grande do futebol português" e apela, por isso, às entidades com responsabilidades na cúpula desportiva que a façam.

"Eu temo que o futebol português tenha graves problemas no futuro", avisou, desde já, António Salvador, não descartando o papel decisivo que a pandemia terá no impacto financeiro dos clubes.

Para António Salvador, a crise será especialmente delicada para os clubes de futebol. "No momento pandémico em que estamos, com a crise que estamos a viver, não vamos esconder as dificuldades todas que existem".

O líder do SC Braga compreende que a crise irá bater à porta das empreas, "não só nos clubes mas em toda a economia". Porém, "os clubes vão tê-la ainda muito mais num futuro próximo".

Por isso, António Salvador diz que não vai 'abandonar o barco' e promete recandidatar-se a novo mandato à frente dos destinos dos guerreiros do Minho.

"Vou recandidatar-me. Seria uma cobardia da minha parte abandonar o clube num momento tão difícil como aquele que estamos a atravessar", afirma António Salvador, esperando que em breve o clube possa ser campeão nacional.

"Se tivermos que ser campeões, vamos ser campeões com rigor como sempre fizemos até aqui", disse António Salvador, garantindo que não irá alterar a forma de gerir o clube.

"No futebol tudo pode acontecer mas quero aqui deixar bem claro que o SC Braga tem uma ideia e um rigor e nunca se vai desviar", assegurou aos sócios e adeptos do dirigente minhoto.

Insistindo na ideia de que o futebol precisa de ajudas, António Salvador referiu ainda que ao nível salarial é preciso refletir sobre o peso que os seguros têm neste capítulo. 

"É incompreensível como é que os clubes pagem entre 15 a 18 por cento de taxas de seguros sobre o ordenado. Só em Portugal. Por isso é que não é possível competir com outros países em função da questão salarial".

O presidente do SC Braga lamenta ainda a posição do Governo perante a pandemia face à questão financeira dos clubes, destacando que tanto a Federação Portuguesa de Futebol como a Liga têm tentado apoiar os emblemas.

"Percebo que é um momento de insegurança", referiu, entendendo que o próprio Governo esteja "baralhado". "Hoje toma uma decisão, daqui a 15 dias pode tomar outra", lamentou Salvador, em entrevista ao Jornal de Notícias.

"Temos assistido a decisões certas, outras decisões são erradas. Mas algo terá de ser feito no futuro sob pena de termos graves problemas nos próximos anos no futebol português".

Em tempo de pandemia, os jogos do SC Braga não param e depois do campeonato segue-se a disputa da final a quatro da Taça da Liga, prova na qual os bracarenses começam por medir forças contra o Benfica.