Prolongamento
"Gostava que não fossem necessários Ruis Pintos, mas não só no futebol"
Redação
2021-05-13 15:55:00
Rui Santos afirma em tribunal que "há um antes e um depois do Football Leaks"

O portal Football Leaks foi fundamental para permitir que um conjunto de “suposições” sobre negócios e agentes do futebol fossem transformadas em “provas concretas de situações que lesaram pessoas e instituições”, defendeu hoje o jornalista Rui Santos, durante a 41.ª sessão do julgamento do processo Football Leaks, no Juízo Central Criminal, no Campus de Justiça, em Lisboa.

“Há um antes do Football Leaks e um depois do Football Leaks. Antes era uma base de suposição, depois passa a haver provas concretas de situações que lesaram pessoas e instituições. Isso deve ser aproveitado pelas instituições, pelos estados, em colaboração com o Rui Pinto”, afirmou o jornalista e comentador da SIC.

“Gostava que não fossem necessários Ruis Pintos, mas não só no futebol”, insistiu Rui Santos, considerando que o futebol, por mover largas dezenas de milhões de euros, deve ser “escrutinado ao milímetro”, destacando o exemplo da transferência de Bale do Tottenham para o Real Madrid: “No caso do Gareth Bale, só através do Football Leaks ficámos a saber quanto custou a operação. Uma indústria desta dimensão com tantas implicações, nomeadamente ao nível do erário público, devia ser escrutinada ao milímetro”.

"O que foi revelado [pelo Football Leaks] foi muito importante para se fazer luz de muita coisa que se sabia que existiam, mas estavam camufladas e de acesso muito difícil", insistiu: "O contributo de Rui Pinto foi uma luz ao fundo do túnel em relação ao que percecionamos, importante para instituições perceberem que há um tanto trabalho a fazer para aumentar a credibilidade de uma indústria que manobra milhões e que é também do interesse do erário público".

Na mesma linha de raciocínio, o jornalista lembrou que praticamente todos os clubes têm as contas "no vermelho", mas, quando se procura para onde foi o dinheiro, surgem mais dúvidas do que respostas. "As operações financeiras deviam ser totalmente transparente e não percebo porque o não são. Tem que haver uma razão para os clubes quase todos terem as finanças no vermelho. Como é que os clubes têm as suas contas no vermelho? Onde é que está o dinheiro? Os mecanismos de autoregulação falham permanentemente e eu gostaria que fosse muito mais transparente do que é", afirmou.

Em tribunal, Rui Santos sustentou que Rui Pinto, através do Football Leaks, tornou público um conjunto de informação que “antes” do portal era opaco. “Gostava de ter acesso a mais informação que os mecanismos normais não permitem, porque não é possível ter acesso a determinada informação. Não só para denunciar a falência destes sistemas, mas também para dizer que muitas informações são fundamentais”, concluiu o jornalista e comentador.