Portugal
"Futebol foi abandonado pelo Estado. É impossível a sobrevivência dos clubes"
2020-09-25 15:30:00
Presidente leonino quer público nas bancadas e diz que DGS está tomar decisões com base em "ruído"

O presidente do Sporting teme que a intransigência do governo e das autoridades de saúde em relação ao afastamento de público dos estádios de futebol possa gerar uma 'fatura' pesada para os cofres dos clubes.

Em entrevista à agência EFE, Frederico Varandas queixa-se que o futebol foi "abandonado" pelo Estado.

"Não entendo o porquê de não existir adeptos nos estádios, ainda para mais num mês onde serão disputadas em Portugal provas de Moto GP e de Fórmula 1 com público. E ainda há outros espetáculos com pessoas a assistir, como as touradas", criticou Varandas.

O líder leonino revela ainda que o clube já perdeu a possibilidade de lucrar "20 milhões de euros".

E assim sendo, o desfecho poderá ser o pior.

"É impossível a sobrevivência económica dos clubes."

Médico de profissão, Frederico Varandas considera que os estádios podem ficar com 20 ou 30 por cento da lotação e destaca que a Direção-Geral da Saúde está a ser vulnerável a "ruído e pressão".

"Nunca se pode perder o critério científico que, nos dias de hoje, se está a perder com o ruído e a pressão. Os verdadeiros grupos de risco são os idosos e os que têm algumas patologias associadas".

Frederico Varandas revelou ainda que a partir do "décimo dia" a pessoa infetada deixa de transmitir o vírus e por isso não entende as razões que levam a que os infetados em Portugal tenham de fazer um isolamento de 14 dias.