Portugal
Benfica vence na Madeira e regressa aos triunfos na I Liga
Redação
2020-11-30 20:55:00
Encarnados operaram reviravolta com golos de Pizzi e Everton

O Benfica conseguiu hoje dar a volta a mais um erro crasso de Otamendi e regressar às vitórias na I Liga portuguesa de futebol, na casa do Marítimo (2-1), no fecho da oitava jornada.

Depois dos triunfos de FC Porto, Sporting e Sporting de Braga, os ‘encarnados’ estavam obrigados a ganhar, mas começaram cedo a dar ‘tiros nos pés’, com um atraso fatal do central argentino para Vlachodimos que Rodrigo Pinho aproveitou, aos 14 minutos.

A formação comandada por Jorge Jesus acusou o ‘toque’ e passou por um período complicado, mas ‘voltou’ ao jogo com mais um golo do ‘inevitável’ Pizzi, aos 32 minutos, e concretizou a reviravolta com um golo de Everton, aos 51.

Com muito ainda para jogar, num campo pesado e escorregadio, o Benfica, que vinha de duas derrotas seguidas na prova e a sofrer três golos em cada, não mais criou grande perigo e pareceu ‘viver’ sempre em sobressalto. Ainda assim, o Marítimo não conseguiu mais do que um inofensivo remate de Milson, aos 76 minutos.

Os ‘encarnados’ fecham, assim, a ronda no terceiro lugar, com 18 pontos, os mesmos do Sporting de Braga, segundo, e menos quatro do que o líder Sporting, enquanto o Marítimo, que apenas somou um ponto nos últimos cinco jogos, é 15.º colocado, com sete, os mesmos do penúltimo, o Boavista.

Em relação ao 2-2 com o Rangers, Jesus, ainda sem Darwin, Taarabt ou Weigl, trocou Helton Leite, Jardel e Chiquinho por Vlachodimos, Otamendi e Pizzi, enquanto Lito Vidigal mudou duas ‘peças’ em relação ao ‘onze’ que venceu 3-2 em Penafiel, fazendo entrar Leo Andrade e René em vez de Kerkez e Tamuzo.

O Benfica entrou ofensivo, a dominar, instalou-se no meio-campo contrário e ameaçou várias vezes o golo, nomeadamente em remates de Pizzi, aos oito minutos, e Everton, aos 11. Só que, aos 14, cometeu uma falha e ficou em desvantagem.

A formação da casa ‘despejou’ a bola para a frente, Otamendi chegou primeiro e voltou a cometer um erro crasso, desta vez um atraso a isolar Rodrigo Pinho, que, com classe, fez um pequeno ‘chapéu’ a Vlachodimos, para o seu sexto golo na prova.

Em desvantagem, o Benfica ‘perdeu-se’, começou a falhar mais passes, para, aos 32 minutos, ser ‘resgatado’, para não variar, por Pizzi, que deu a melhor sequência, de pé esquerdo, a uma jogada por si iniciada e que passou ainda por Everton e Grimaldo.

O golo voltou a melhorar o futebol dos ‘encarnados’, hoje de negro, e, até ao intervalo, foram várias as ocasiões para a reviravolta, mas Charles negou o bis’ a Pizzi (40 minutos), Rafa acertou em René (44) e Waldschmidt não rematou bem (45+5).

Por seu lado, o Marítimo, e embora de forma espaçada, foi colocando em ‘sentido’ a defesa dos forasteiros, como aos 42 minutos, num contra-ataque, conduzido por Joel, que Rodrigo Pinho não teve ângulo para concluir com êxito.

O Benfica voltou a entrar forte na segunda parte, em busca do segundo golo, que conseguiu aos 51 minutos. Num livre marcado rápido, a bola passou de Waldschmidt para Seferovic, que isolou Everton, com o brasileiro a bater Charles com um remate colocado.

O golo mudou o jogo, com os ‘encarnados’ a perderem claramente o pendor ofensivo e o encontro a equilibrar, com o Marítimo a tentar incomodar a defesa contrária, mas sem conseguir criar uma única oportunidade para incomodar Vlachodimos.

Ainda assim, e face a algumas bolas ‘bombeadas’ para a área e um canto sobre o final – o primeiro dos locais, contra 12 -, o Benfica sofreu até final para voltar aos triunfos e responder aos restantes candidatos ao título.