Portugal
Amorim suspenso. Sporting critica "súbita urgência com seis meses de atraso"
Redação
2021-05-04 10:30:00
"Justiça desportiva expõe-se, assim, ao ridículo de quem não procura a verdade", refere clube de Alvalade

O treinador do Sporting foi suspenso pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, por seis dias, e o clube de Alvalade já reagiu, criticando a "súbita urgência" sobre um ato praticado há seis meses. "A Justiça desportiva expõe-se, assim, ao ridículo de quem não procura a verdade nos processos e, numa interpretação ilegal dos regulamentos, pretende impor a lei da rolha a quem, justamente, se limitou a referir-se a uma injustiça que o vitimava e continua a vitimar", acusam os leões.

O Sporting explica o lance que está na origem dessas palavras. No Sporting-FC Porto de outubro passado, o juiz assinalou penálti contra os dragões, considerando falta de Zaidu sobre Pedro Gonçalves. A jogada foi analisada pelo VAR, que reverteu a decisão. O técnico foi expulso, no final do jogo, contestando essa decisão e falando em "dualidade de critérios". 

Enquanto ocorre a revisão do VAR, é possível ouvir protestos dos azuis e brancos, segundo notam os leões, que divulgam imagens da Sport TV.

"Passados seis meses sobre a data em que foram proferidas, o Conselho de Disciplina (CD) deliberou suspender Rúben Amorim por este ter expressado, no dia 17/10/2020, declarações em que, comentando a sua expulsão, se referiu à dualidade de critérios usada, por não ter sido igualmente expulso alguém que integrava o banco adversário – do FC Porto – e que havia assumido comportamento semelhante ao que o CD agora lhe imputa", refere o clube de Alvalade.

Mas o Sporting critica, acima de tudo, o momento em que esta suspensão é decidida. "A divulgação desta deliberação coincide, certamente por casualidade, com o dia em que Rúben Amorim prestou declarações sobre o processo que ameaça suspendê-lo por um período de um a seis anos", ironiza o emblema leonina.

"A deliberação ora conhecida pune injustamente o nosso treinador por um período de seis dias, nas vésperas do jogo contra o Rio Ave. Trata-se de uma deliberação injusta, desproporcional e que expõe a Justiça desportiva ao julgamento óbvio: as declarações do nosso treinador, no contexto em foram proferidas, não têm qualquer relevância quando comparadas com outras atitudes de outros agentes desportivos", defende o comunicado.

O Sporing nota ainda que "é importante realçar que a instrutora do processo propôs o arquivamento dos autos, com uma leitura adequada das declarações, do contexto em que foram proferidas e dos regulamentos, proposta ignorada pelo CD, que teimosamente pretende ver naquelas declarações uma ofensa à equipa de arbitragem".

A SAD leonina garante ainda que "apoiará o treinador Rúben Amorim em todas as iniciativas contra esta deliberação ilegal e injusta, nomeadamente no recurso a interpor sobre ela junto do TAD", sendo que "tudo fará para que, no futuro, a Justiça desportiva se foque nos enormes problemas que atravessa o futebol português".